Análise dos impactos de um iPhone 6 com tela maior

0
4244

A cada dia que passa fica mais perto do lançamento do iPhone 6 (ou seja lá qual for o nome dele), e a gente vai ficando mais ansioso pra saber o que a Apple está preparando para nós.

Como todo mundo sabe, o assunto principal é o tamanho da tela do aparelho, que tudo indica para um modelo maior, possivelmente de 4,7 polegadas, e até mesmo um super “iPhablet”, com 5,5 polegadas (mesmo tamanho do gigantesco LG G3, que será lançado em alguns dias).

Veja uma foto do LG G3 na mão de um usuário:

54908.75198-LG-G3-metro

Primeiro, por que a Apple aumentaria o tamanho da tela? Bom, eu já fiz uma matéria falando alguns motivos para ela aumentar a tela. Mas, tirando as preferências pessoais, realmente faz sentido em quesito de mercado.

Uma pesquisa da Canalys aponta que vendas globais de smartphones com telas de 5 ou mais polegadas já representam 34% do mercado. Tendo em vista que o iPhone tem 16% de participação, esses 1/3 do total de smartphones vendidos ficam exclusivamente com o Android e os grandes fabricantes – principalmente Tio Samsung, LG, HTC e Lenovo. A Nokia também vende alguns aparelhos grandes e muito bons, mas o Windows Phone só tem 3% de mercado então não entra na conta.

A Apple aumentando o tamanho da tela, atrairá muitos usuários em potencial, que não compram o iPhone pelo fato da tela ser muito pequena. Um display de 4,7 polegadas nem chega a ser tão grande assim – e não entraria nessa porcentagem, ainda, porque é menor do que 5 – mas já chamaria bastante a atenção. Ou seja, as fabricantes de smartphones com Android por enquanto tem 34% de exclusividade, onde a Apple não pode colocar as mãos.

E um iPhone de 5,5 polegadas seria realmente uma bomba para Samsung e LG.

Veja o gráfico:

14-pesquisa-canalys

O pessoal do 9to5mac fez uma análise sobre a resolução da tela do iPhone 6. A questão principal é sobre o que vai acontecer com a interface e a densidade de pixels caso a tela seja maior.

A Apple começou com o lance do Retina Display quando lançou o iPhone 4. Retina nada mais é que uma resolução acima do limite que o olho humano pode perceber. O limite dos nossos olhos é 300 ppi (pixels per inch, pixels por polegada), e o iPhone 4 tinha densidade de pixels de 326 ppi, ou seja, a resolução era altíssima e as imagens são muito nítidas.

No iPhone 5 o número se manteve (326 ppi), bem como no iPhone 5S.

O que aconteceu do iPhone 4 para o 5/5S? Bom, vamos primeiro analisar o pulo do iPhone 3GS para o iPhone 4:

O iPhone original tinha a tela de 3,5 polegadas e a resolução era 320 x 480. Essas características foram mantidas até o iPhone 3GS. Já no iPhone 4, a tela manteve-se em 3,5 polegadas, mas a resolução era muito maior. Para isso a Apple quadruplicou o número de pixels e dobrou a densidade deles nos gráficos do iOS. Com isso, a tela ficou bem mais nítida, mas os elementos visuais do sistema mantiveram-se exatamente no mesmo lugar. A nova resolução era 640 x 960, exatamente o dobro da resolução dos modelos anteriores.

Com isso, a densidade de pixels também dobrou de 163 para 326 ppi, e o iOS automaticamente gera as imagens com o dobro da resolução. Mas mesmo assim, tanto a Apple quantos os desenvolvedores tiveram que reformular todos os seus aplicativos e imagens, porque caso fossem mantidos os tamanhos, as imagens menores seriam simplesmente “esticadas”, e ia ficar aquela pixelização horrível – tente pegar uma foto pequena e esticar para ver o que acontece.

E é esse o problema que o aumento do tamanho da tela e da resolução traz. Os desenvolvedores terão que reformular tudo, quando o novo iPhone sair.

Já o iPhone 5/5S/5C é praticamente um iPhone 4 esticado (em termos de tamanho). A Apple manteve a largura mas aumentou a altura, mas a densidade de pixels foi mantida. A resolução “base” passou de 480 x 320 para 568 x 320 pixels. A resolução real na verdade é o dobro, 1136 x 640 pixels.

Recapitulando:

resolução base para iPhone 5/5S/5C: 658 x 320
resolução atual do iPhone 5/5S/5C: 1136 x 640 (o dobro da base)

No iPhone 6, espera-se que a Apple triplique essa resolução base, passando a 1704 x 960. Se isso acontecer, a proporção das dimensões (aspect ratio) se manterá o mesmo dos antecessores, 16:9.

Já a densidade por pixel aumentará absurdamente. No iPhone de 4,7 polegadas, a densidade será 416 ppi. Já no iPhablet, teremos 356 ppi (se a mesma resolução for mantida para os dois modelos). Ou seja, a densidade será maior do que nos modelos atuais do iPhone, para ambos os tamanhos.

notificationcomparison-1

Com isso a interface do iOS simplesmente dará uma esticada, a não ser que a Apple modifique o sistema para otimizá-lo ao novo tamanho. Porém, algumas fontes do 9to5mac dizem que os elementos base, como a tela inicial, a Central de Notificações e o painel de configurações serão apenas maiores – ou seja, sem otimização. Mas também há informações de outras partes que os desenvolvedores poderão otimizar seus aplicativos, e que a própria Apple também estaria modificando. As informações se contradizem, então o jeito é esperar.

safaricomparison

Mas faz bem mais sentido para a maçã otimizar apps como o Safari e o Maps, para fazer um melhor uso da tela maior. Além disso, desenvolvedores de jogos poderão modificar o posicionamento dos botões de controle para proporcionar uma melhor experiência de uso. Na mudança do iPhone 4/4S para o iPhone 5/5S/5C, o mesmo aconteceu: o aplicativo de emails passou a mostrar mais mensagens de uma vez, e uma nova linha foi adicionada à tela inicial.

homescreencomparison

Para saber como o iOS 7 se comportaria em uma resolução maior (o triplo da resolução base) caso não fosse otimizado, o designer Steven Troughton-Smith fez algumas simulações.

screenshot1 screenshot2

Como você pode notar, alguns elementos do sistema como o Spotlight (pesquisa) e a própria tela inicial se comportam legal, mas muitos aplicativos terão que ser adaptados, como é o caso do calendário, mostrado na imagem.

Um problema grande já foi mencionado aqui: as imagens de muitos aplicativos serão simplesmente esticadas (para 1,5 vezes o seu tamanho), ou seja, elas ficarão borradas.

O novo padrão de estética do iOS trabalha mais com imagens vetoriais do que em bitmaps, o que significa que é muito mais fácil aumentar ou diminuir o tamanho. Mas nem todos os desenvolvedores utilizam vetores, e é ai onde mora o problema.

De acordo com fontes familiares ao novo iPhone (também do 9to5mac), um aplicativo para iPhone 5/5S/5C que não tiver sido otimizado para o iPhone 6 irá preencher toda a tela do aparelho, mas as imagens que ficarão borradas, como mencionado, porque simplesmente serão esticadas. Com imagens vetoriais isso não acontece.

Ou seja, muitos desenvolvedores terão que modificar seus aplicativos. Claro que os grandes apps serão atualizados quase que instantaneamente, mas sempre vai ter aquele programa difícil de encontrar mas que você gosta de usar, que, infelizmente, poderá levar um tempo até que ele seja otimizado para o iPhone 6.

Mas a Apple não está simplesmente deixando o tempo passar, e vem trabalhando em um modo “multi-resolução”, para dispositivos iOS futuros, com o objetivo de melhorar a vida dos desenvolvedores. Com isso eles poderão escalar seus aplicativos com mais facilidade, otimizando-os para os diferentes tamanhos de telas dos dispositivos, sem ter que fazer muitas modificações.

Além disso, o próximo iPhone virá com o chip A8, a nova incarnação do processador da Apple, que trará várias melhorias em velocidade e performance, principalmente nas áreas marginais, para otimizar o consumo de bateria. É bem provável também que ele venha com componentes do 4G melhorados, que permitirá fazer chamadas ao mesmo tempo em que usa a rede LTE (a internet não desconecta).

nowhereelse-iphone-6-concept-gold

Além do iPhone 6, a Apple está trabalhando em várias frentes, como um possível iPad “Pro” bem maior que o atual (a Samsung está para lançar um tablet de 13 polegadas). Tem também o suposto iWatch, relógio inteligente cujos rumores estão circulando por aí, e outras coisas mais.

No dia 2 de junho a gente já vai poder tirar uma casquinha do que a Apple está preparando para nós, provavelmente o iOS 8, durante a conferência anual de desenvolvedores WWDC 2014.

Já sobre quando o iPhone 6 vai chegar, muita gente fala que o modelo de 4.7 polegadas vem só em agosto, mas alguns rumores apontam para o lançamento já na WWDC, o que eu acho pouco provável. O de 5.5 polegadas chegaria em setembro.

O jeito é esperar, esperar e esperar, porque uma hora ele chega. E preparem também o bolso, porque ele não vai ser barato.